Uyuni - A Imensidão de Sal

De Potosí, partimos para o Salar de Uyuni, um dos pontos altos da viagem. São cerca de 200 km, que na época estavam em obras de pavimentação (em 2012 a estrada foi entregue). No caminho, casas de barro, pequenos salares, llamas, alpacas e muitas montanhas.

4 horas de estrada depois, lá estávamos, avistando da altura aquele imenso deserto branco.

Uma das portas de entrada para o Salar é a cidade de mesmo nome. Uyuni tem cerca de 11 mil habitantes e segue o padrão boliviano: calma, simples e marrom. Mas a cidadezinha tem um grande diferencial: ser emoldurada por 12 mil quilômetros quadrados de sal.

Uyuni é o ponto de partida para as expedições que levam a conhecer o Salar. Como estávamos de carro próprio (4x4) conseguimos fazer tudo por conta, sem precisar do auxilio das agências que atuam na cidade.

Escolhemos uma época em que o salar não estava alagado e a paisagem fica de um branco que parece cegar. Nos meses de abril, maio, outubro e novembro, não faz tanto frio e a tendência é que o Salar esteja seco. Como fomos em outubro, foi justamente o que encontramos: salar branquinho e um frio "suportável".

No verão, de dezembro a março, época das chuvas, o salar fica com uma camada de água acumulada e quem o visita encontra o chão parecendo um espelho, refletindo o céu e tudo que estiver no horizonte. Nesse caso, mesmo com um 4x4, não seria nada recomendável andar sozinho por lá, já que sem conhecimento suficiente do terreno há grandes chances de se perder. Nessa época o frio alcança temperaturas negativas durante a noite.

Ao se aproximar da cidade, lá do alto já se avista os telhados metalizados das casas e o branco que circunda o local.

Pequeno salar e seus habitantes, no caminho entre Potosí e Uyuni

Pequeno salar e seus habitantes, no caminho entre Potosí e Uyuni

Vilas marrons e paredes de barro, a cara do sul boliviano.

Vilas marrons e paredes de barro, a cara do sul boliviano.

Primeiro avistamento do Salar e da cidade de Uyuni

Primeiro avistamento do Salar e da cidade de Uyuni

Uyuni vista de cima

Uyuni vista de cima

A cidade é cheia de monumentos na avenida principal. Somam-se a eles as cholas e os veículos 4x4 que estão em todo lugar.

A cidade é cheia de monumentos na avenida principal. Somam-se a eles as cholas e os veículos 4x4 que estão em todo lugar.

CEMITÉRIO DE TRENS

A primeira parada antes de partir rumo ao Salar é o Cemitério de Trens, que fica alguns quilômetros ao sul de Uyuni.

O local foi no passado um importante cruzamento de ferrovias, utilizada para o transporte de minérios. Com a desativação da ferrovia pelo declínio do progresso e pela grande oposição sofrida pelos indígenas Aymarás, que viam a ferrovia como uma ameaça, os vagões ficaram abandonados e sofreram toda a degradação do tempo.

Toda essa estrutura é a entrada de uma área militar próxima a cidade.

Toda essa estrutura é a entrada de uma área militar próxima a cidade.

HOTEL DE SAL

Como chegamos a Uyuni a tarde, deixamos para entrar no salar somente na manhã seguinte. Não queríamos passar a noite perdidos por lá...

A opção de hospedagem não poderia ser outra, se não o pitoresco Hotel de Sal Luna Salada, que fica em Colchani, na principal entrada para a imensidão branca.

O hotel é surreal. É simplesmente TODO construído com blocos de sal, desde as paredes até a mobília. Sim, as camas, os criado-mudos, os sofás, os pilares, as paredes, o balcão da recepção, o chão, tudo de sal. O hotel é extremamente aconchegante, as atendendentes de uma simplicidade e cuidado conosco sem igual. As refeições impecáveis. E o melhor é que oferece vista para o Salar, com um por do sol inacreditável.

Hotel Luna Salada

Hotel Luna Salada

Uma das melhores refeições da viagem

Uma das melhores refeições da viagem

E era salgado mesmo :p

E era salgado mesmo :p

As "chicas" que cuidavam do hotel

As "chicas" que cuidavam do hotel

O SALAR

Localizado a sudoeste da Bolívia na Província de Potosí, e a uma altitude de 3650 metros acima do nível do mar, o Salar de Uyuni é considerada a maior planície salgada da terra com aproximadamente 12.000 km2.

O solo é formado por 11 camadas com espessuras que variam de 2 a 10m e podem atingir a profundidade de 120m.

Acredita-se que há cerca de 80 milhões de anos, na sua origem, tenha estado um braço de mar do Pacífico que posteriormente tenha se transformado em um lago. Com a evaporação das águas, formou-se a maior planície de sal do mundo.

O Salar também constitui uma das maiores reservas do mundo de Lítio, (minério usado para fabricar desde remédios a baterias de celulares...). É composto também de Potássio, Boro e Magnésio.

O possível interesse na exploração de lítio gera preocupação quanto ao futuro da singular paisagem do Salar, em caso de instalação de unidades de exploração. Então, se pensa em conhecê-lo em seu estado natural, vá logo!

Hoje ele é utilizado como fonte de extração de aproximadamente 25.000 toneladas/ano de sal o que significa fonte de emprego e renda (embora as pessoas trabalhem em condições inadequadas e a renda seja, digamos, irrisória).

Um lugar que só é entendido completamente estando lá. Em meio aquela imensidão branca, onde o que se vê é somente sal para o lado que olhar.

Mais uma vez é indispensável, óculos de sol, protetor solar, agasalho e uma proteção para a cabeça. O sol queima, o vento é gelado e o branco extremo da paisagem te cega.

Em vários lugares, lemos que não tem como se achar sozinhos por lá, que o GPS ia dar pau e que é tudo muito perigoso e blá blá blá. No fim da história, o GPS funcionou perfeitamente e com o salar seco, as "estradas" são visíveis (trilhos de marcas de pneus).

Trabalhador na extração de sal nos dano informação, na entrada

Trabalhador na extração de sal nos dano informação, na entrada

Extração de sal

Extração de sal

Antigo Hotel de Sal, já desativado, em meio ao Salar.

Antigo Hotel de Sal, já desativado, em meio ao Salar.

Praça das Bandeiras

Praça das Bandeiras

Branco por todos os lados

Branco por todos os lados

Essa foto foi parar no site da Mitsubishi :) - Janela MundoMit

GPS E O EXÉRCITO BOLIVIANO

Falando no GPS, sem dúvida o fato mais pitoresco de todas as nossas viagens até hoje aconteceu em Uyuni.

Avistamos, ao longe, um caminhão do Exército Boliviano se aproximando, enquanto tirávamos algumas fotos brincando com a perspectiva infinita.

Primeiro pensamento: FERROU. ESTAMOS EM ÁREA PROIBIDA!!!

O caminhão foi se aproximando, e de repente 2 militares saltaram da cabine e vieram em nossa direção. MEDO!

E vem a pergunta, do militar motorista:

- Sabe me dizer qual é o caminho para Chuvica?

Após uma pausa para o riso contido...o Tiago parte até o carro para pegar o GPS e indicar para o Exército para que lado seguir. Siga reto, contorne a ilha e dirija 30km para o sul.

Dada a orientação, saíram com o caminhão buzinando e abanando para as meninas.

É a tecnologia brasileira salvando as operações militares na Bolívia (abraço, Evo).

ILHA INCAHUASI

Um dos poucos pontos com maior concentração de vida em meio ao Salar, entre eles se destacam os cactos gigantes que chegam a 10m de altura e a 600 anos de vida. É um pontinho escuro em meio à imensidão branca.

Ilha Incahuasi (Fonte: Google)

Ilha Incahuasi (Fonte: Google)

Essa foto ilustra o sofrimento ao se fazer qualquer tipo de esforço na altitude, imagine morro acima! Heheh

Essa foto ilustra o sofrimento ao se fazer qualquer tipo de esforço na altitude, imagine morro acima! Heheh

Olha a Pajero lá embaixo, à esquerda

Olha a Pajero lá embaixo, à esquerda

Fim do passeio, partimos em direção a Oruro e La Paz, tema do nosso próximo post.

Quem quiser saber mais sobre os trajetos, ou tiver qualquer dúvida, teremos prazer em ajudar! :)

14 - Paso de Jama e o retorno pra casa

12 de setembro de 2016

Pra encerrar nosso trajeto, após uma noite em Calama, optamos por seguir pra casa em 3 dias de estrada, sem muitos passeios paralelos no caminho. Essa decisão foi tomada porque a grana já estava curta, e praticamente todo o trajeto de...
Veja mais...

13 - Iquique e Ruta 1

12 de setembro de 2016

Seguindo nosso trajeto pelo norte do Chile, falaremos de Iquique e da bela Ruta 1, ao sul. Saímos de Arica ao entardecer e pegamos os 310 km em direção a Iquique, ainda no meio do Atacama. O trajeto é de enormes retas na Ruta 5...
Veja mais...

12 - Voltando ao Chile - Arica e Parinacota

12 de setembro de 2016

O trecho de hoje é a saída do Peru, cruzando a fronteira para o Chile entre Tacna-PER e Arica-CHI. A região é o início do Deserto de Atacama, e já foi palco da Guerra do Pacífico, entre 1879 e 1883. Na época, o que hoje é o norte do Chile...
Veja mais...

11 - Arequipa

12 de setembro de 2016

Arequipa foi uma agradável surpresa na viagem. Chamada de "cidade branca", pelas peculiares construções branquinhas serem feitas com uma pedra chamada Sillar, retirada do Vulcão Chachani, ou, uma segunda teoria que diz que é assim...
Veja mais...

10 - Cañon del Colca

12 de setembro de 2016

Depois das nossas andanças por Cusco, Machu Picchu e arredores, começamos o caminho "de volta", recheado de pontos de parada sensacionais. De Cusco, pegamos os 600km de estrada em direção a Arequipa (sobre a qual falaremos no...
Veja mais...

9 - Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas

12 de setembro de 2016

Machu Picchu - A Cidade Perdida dos Incas Da base, Cusco, para finalmente chegar ao nosso destino mais longínquo nessa viagem: a montanha sagrada Machu Picchu. Compramos as passagens de trem com dois dias de antecedência (e...
Veja mais...

8 - Cusco - A capital dos Incas

12 de setembro de 2016

Cusco, a capital dos Incas Saímos de Puno à tarde, após o almoço. De lá até Cusco, o caminho é longo: São 340km, feitos em 6 horas e meia de viagem, boa parte feita por estradas em obras. A primeira metade do caminho é feita...
Veja mais...

7 - Puno e as Ilhas Uros

12 de setembro de 2016

Puno e as Ilhas Flutuantes dos Uros, no Lago Titicaca Depois de cruzar a fronteira e percorrer mais 150km costeando o Lago Titicaca, chegamos a Puno, considerada a capital folclórica do Peru. A cidade é agradabilíssima e as...
Veja mais...

6 - Ruínas de Tiwanaku

12 de setembro de 2016

Ruínas de Tiwanaku - De La Paz ao Peru Depois de uma passagem conturbada por La Paz, com o centro obstruído por protestos, trânsito caótico, lesão no tornozelo e tudo o mais, optamos por abreviar nossa estadia. Das 3 noites...
Veja mais...

5 - La Paz, a capital da Bolívia

12 de setembro de 2016

La Paz - Capital mais confusa da América do Sul Ainda extasiados e com a imagem do Salar na cabeça, seguimos viagem. O próximo destino seria Nuestra Señora de La Paz ou simplesmente La Paz, capital da Bolívia, Saímos do Salar...
Veja mais...

3 - Potosí - Bolívia

12 de setembro de 2016

Potosí: a cidade que te deixa sem fôlego, literalmente! Como dissemos no último post, nos obrigamos a sair de Tupiza à noite, para evitar um bloqueio da estrada na manhã seguinte. Assim, saímos de lá as 21:00h em direção a Potosí,...
Veja mais...

2 - De Salta-ARG a Tupiza-BOL

12 de setembro de 2016

Como falamos no post anterior, nesse trecho é que realmente a viagem começou. Acordamos cedinho e partimos rumo ao norte. Objetivo do dia: Chegar a Tupiza, primeira cidade com alguma estrutura no trajeto boliviano. No...
Veja mais...

1 - Do RS até Salta-ARG

12 de setembro de 2016

Começamos aqui o relato de mais uma viagem pela América do Sul. Essa foi feita em 2011 e passamos por Argentina, Bolívia, Peru e Chile. Rodamos 9.800 km em 20 dias. Tivemos como parceiras nessa jornada, Lais e Natália (irmã e prima da...
Veja mais...

COPYRIGHT 2019 © Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Orange Tecnologia para Internet