Seguindo nosso trajeto pelo norte do Chile, falaremos de Iquique e da bela Ruta 1, ao sul.

Saímos de Arica ao entardecer e pegamos os 310 km em direção a Iquique, ainda no meio do Atacama. O trajeto é de enormes retas na Ruta 5 (Panamericana), mas também de precipícios assustadores à beira da estrada.

Iquique fica encravada entre o Oceano Pacífico e a uma contínua cadeia de montanhas de mais ou menos 700 m de altura, a Cordillera de la Costa, o que traz um visual incrível ao lugar. Tem hoje 200 mil habitantes (300 mil na região metropolitana Iquique-Alto Hospício).

Chegamos lá já a noite, por volta das 22:00h. Como não tínhamos hotel reservado, a primeira providência foi girar pela cidade em busca de um lugar pra descansar. E foi mais difícil do que esperávamos. Andamos, andamos e os únicos hotéis que ainda tinham vagas eram 5 estrelas. Não era bem o que procurávamos...

Paramos o carro e pedimos informações a pedestres sobre hotéis mais em conta e nos mandaram para um bairro, que digamos, não era de família (se é que nos entendem).

Já estava ficando muito tarde e a única solução encontrada foi....ficar num 5 estrelas! O hotel era lindo, com as ondas do Pacífico tocando nas paredes e uma vista incrível. Pisco sour de cortesia e o som do mar para dormir. O café da manhã, claro, condizia com todo o resto.

O surpreendente é que pelo contexto, poderia ser a ruína das nossas finanças de viajantes mão-de-vaca. Acabou sendo o momento "ostentação" da viagem, por um preço bem razoável (US$ 60,00 dolares por pessoa, numa época em que o dólar valia R$ 2,00).

Hotel Gavina. Recomendadíssimo!

Após uma noite de descanso, a intenção era aproveitar o dia pra conhecer a cidade, mesmo que superficialmente, pelo pouco tempo disponível...e fazer umas comprinhas na Zona Franca.

Iquique tem uma das maiores Zonas Francas da América do Sul, a Zofri. Passamos um bom tempo por lá, de loja em loja procurando algumas pechinchas. Vale a pena em alguns itens, como roupas, bebidas e tal...mas nos eletrônicos nem tanto, pra quem conhece o Paraguay e seus benefícios :).

Depois de curtir as compras, saímos no meio da tarde rumo ao sul, parando em uma prainha não identificada fora do burburinho da cidade, pra brincar um pouco no Pacífico, e de lá seguimos pela Ruta 1 ao sul, até Tocopilla, pra depois seguir até Calama, pela R-24.

A Ruta 1 é uma das mais bonitas estradas pelas quais já passamos. Lembra muito a Highway-1 na Califórnia (Big Sur), com um cenário mais desértico. A cada curva, uma paisagem mais bonita e surpreendente a beira do Pacífico. Os 228km até Tocopilla foram percorridos no final da tarde, saindo da rodovia exatamente quando o sol se pôs no oceano. Trajeto memorável, com muitas fotos pra servir de recordação.

De lá, mais 100 km subindo em direção a Calama, pra jantar e descansar.

De Calama até a chegada em casa...assunto para o próximo e último post pra fechar essa viagem.

Pisco Sour + Hotel Gavina = pessoas felizes!

Pisco Sour + Hotel Gavina = pessoas felizes!

Vista do quarto do Hotel

Vista do quarto do Hotel

Hotel Gavina

Hotel Gavina

Artista de rua

Artista de rua

Iquique

Iquique

Prainhas que encontramos logo depois de sair da cidade

Prainhas que encontramos logo depois de sair da cidade

Muitas conchinhas...

Muitas conchinhas...

Aproveitando as águas gelaaadas do Pacífico

Aproveitando as águas gelaaadas do Pacífico

Vista de Iquique desde a Ruta 1

Vista de Iquique desde a Ruta 1

Obras de artistas locais - Lata gigantesca de Coca-Cola

Obras de artistas locais - Lata gigantesca de Coca-Cola

Esculturas gigantes no deserto

Esculturas gigantes no deserto

Rumo ao Sul - Ruta 1

Rumo ao Sul - Ruta 1

Ruta 1

Ruta 1

Paisagens variadas acompanhando a Ruta 1

Paisagens variadas acompanhando a Ruta 1

Ainda costeando o Pacífico

Ainda costeando o Pacífico

Por do sol encantador

Por do sol encantador

14 - Paso de Jama e o retorno pra casa

12 de setembro de 2016

Pra encerrar nosso trajeto, após uma noite em Calama, optamos por seguir pra casa em 3 dias de estrada, sem muitos passeios paralelos no caminho. Essa decisão foi tomada porque a grana já estava curta, e praticamente todo o trajeto de...
Veja mais...

12 - Voltando ao Chile - Arica e Parinacota

12 de setembro de 2016

O trecho de hoje é a saída do Peru, cruzando a fronteira para o Chile entre Tacna-PER e Arica-CHI. A região é o início do Deserto de Atacama, e já foi palco da Guerra do Pacífico, entre 1879 e 1883. Na época, o que hoje é o norte do Chile...
Veja mais...

11 - Arequipa

12 de setembro de 2016

Arequipa foi uma agradável surpresa na viagem. Chamada de "cidade branca", pelas peculiares construções branquinhas serem feitas com uma pedra chamada Sillar, retirada do Vulcão Chachani, ou, uma segunda teoria que diz que é assim...
Veja mais...

10 - Cañon del Colca

12 de setembro de 2016

Depois das nossas andanças por Cusco, Machu Picchu e arredores, começamos o caminho "de volta", recheado de pontos de parada sensacionais. De Cusco, pegamos os 600km de estrada em direção a Arequipa (sobre a qual falaremos no...
Veja mais...

9 - Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas

12 de setembro de 2016

Machu Picchu - A Cidade Perdida dos Incas Da base, Cusco, para finalmente chegar ao nosso destino mais longínquo nessa viagem: a montanha sagrada Machu Picchu. Compramos as passagens de trem com dois dias de antecedência (e...
Veja mais...

8 - Cusco - A capital dos Incas

12 de setembro de 2016

Cusco, a capital dos Incas Saímos de Puno à tarde, após o almoço. De lá até Cusco, o caminho é longo: São 340km, feitos em 6 horas e meia de viagem, boa parte feita por estradas em obras. A primeira metade do caminho é feita...
Veja mais...

7 - Puno e as Ilhas Uros

12 de setembro de 2016

Puno e as Ilhas Flutuantes dos Uros, no Lago Titicaca Depois de cruzar a fronteira e percorrer mais 150km costeando o Lago Titicaca, chegamos a Puno, considerada a capital folclórica do Peru. A cidade é agradabilíssima e as...
Veja mais...

6 - Ruínas de Tiwanaku

12 de setembro de 2016

Ruínas de Tiwanaku - De La Paz ao Peru Depois de uma passagem conturbada por La Paz, com o centro obstruído por protestos, trânsito caótico, lesão no tornozelo e tudo o mais, optamos por abreviar nossa estadia. Das 3 noites...
Veja mais...

5 - La Paz, a capital da Bolívia

12 de setembro de 2016

La Paz - Capital mais confusa da América do Sul Ainda extasiados e com a imagem do Salar na cabeça, seguimos viagem. O próximo destino seria Nuestra Señora de La Paz ou simplesmente La Paz, capital da Bolívia, Saímos do Salar...
Veja mais...

4 - Salar de Uyuni

12 de setembro de 2016

Uyuni - A Imensidão de Sal De Potosí, partimos para o Salar de Uyuni, um dos pontos altos da viagem. São cerca de 200 km, que na época estavam em obras de pavimentação (em 2012 a estrada foi entregue). No caminho, casas de barro,...
Veja mais...

3 - Potosí - Bolívia

12 de setembro de 2016

Potosí: a cidade que te deixa sem fôlego, literalmente! Como dissemos no último post, nos obrigamos a sair de Tupiza à noite, para evitar um bloqueio da estrada na manhã seguinte. Assim, saímos de lá as 21:00h em direção a Potosí,...
Veja mais...

2 - De Salta-ARG a Tupiza-BOL

12 de setembro de 2016

Como falamos no post anterior, nesse trecho é que realmente a viagem começou. Acordamos cedinho e partimos rumo ao norte. Objetivo do dia: Chegar a Tupiza, primeira cidade com alguma estrutura no trajeto boliviano. No...
Veja mais...

1 - Do RS até Salta-ARG

12 de setembro de 2016

Começamos aqui o relato de mais uma viagem pela América do Sul. Essa foi feita em 2011 e passamos por Argentina, Bolívia, Peru e Chile. Rodamos 9.800 km em 20 dias. Tivemos como parceiras nessa jornada, Lais e Natália (irmã e prima da...
Veja mais...

COPYRIGHT 2021 © Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Orange Tecnologia para Internet