La Paz - Capital mais confusa da América do Sul

Ainda extasiados e com a imagem do Salar na cabeça, seguimos viagem.

O próximo destino seria Nuestra Señora de La Paz ou simplesmente La Paz, capital da Bolívia,

Saímos do Salar às 15:00h, rumo ao norte. O caminho a La Paz não é nada fácil. São 200km de rípio e quase 400 de asfalto até a capital. No rípio, passamos pelos mesmos motociclistas argentinos que havíamos conhecido lá na fronteira, 3 dias antes. Levamos 7 horas para percorrer o trajeto, que só teve uma parada estratégica em Challapata (onde começa o asfalto) para uma lavagem completa da camioneta. Não dá pra facilitar com o sal...

Vilarejo próximo a Challapata Ruas de Oruro, maior cidade no trajeto até La Paz.

O caminho foi cansativo, chegamos em La Paz a noite e o GPS não estava ajudando muito, já que o mapa boliviano que tínhamos não era roteável, ou seja, servia pra ver as estradas, mas não dizia por onde ir...

A chegada foi assustadora, o trânsito lembrava a Índia, era gente por todos os lados, em meio aos carros, descendo das vans ainda em movimento, carros em todos os sentidos. O sinal até funcionava, mas era assim: sinal verde = siga. Sinal amarelo = buzine e siga um pouco mais devagar. Sinal vermelho = buzine o quanto puder e siga com atenção...hahah

As fotos abaixo são prints da filmadora que captava a viagem.

Trânsito exemplar 1 Trânsito exemplar 2

Giramos por um tempo, pedimos informação e ai entendemos que na verdade ainda não tínhamos entrado em La Paz. Estávamos na verdade em El Alto (a mais de 4.000 metros de altitude), que faz parte da região metropolitana. O município forma, juntamente com La Paz, o maior aglomerado urbano do país com 1.2 milhões de habitantes.

Giramos, giramos, pedimos informação e nada....já estávamos rezando pra sair do meio daquele inferno, até que encontramos, em meio àquela exemplar sinalização, a forma de descer até La Paz por uma autopista.

Acha que a aventura acaba por aí???? Nãaao... o trânsito "lá embaixo" (a 3.600m de altitude) é igual ao de El Alto. Então rezamos mais um pouquinho, em meio a gritos de ?cuidaaaado?, ?freeeeia?, ?páaaara?... até encontrarmos um hotel e nos escondermos lá, em segurança, pelo menos até a manhã seguinte....hehehe

Ficamos no Hotel Glória, (3 estrelas e simpático) no centro histórico, e acordamos as 6h da manhã porque era simplesmente impossível dormir devido ao buzinaço que acontecia lá fora. Não em função de algum evento ou protesto, era um dia como qualquer outro no trânsito. Vendo tudo isso, optamos por deixar a Pajero na garagem e sair a pé, no centro, ou de taxi, pra ir mais longe. Em um dos passeios perguntamos a um taxista porque buzinhavam tanto naquela cidade, e tudo era motivo para uma buzinadinha. Eis a resposta: ?Porque sim!?... hahaha e complementou dizendo que era "pra desestressar".

No dia seguinte, alguns contratempos: o centro histórico da cidade estava totalmente fechado porque acontecia um protesto em frente a Catedral e as quadras que circundavam esse local foram totalmente bloqueadas pela polícia local. Um grupo de indígenas se manifestava contra a construção de uma estrada que cruzará o coração da maior reserva da Bolívia. Não conseguimos conhecer nada dessa parte mais histórica da cidade, nem ao menos tirar fotos. A ideia inicial era passar 3 noites na cidade, mas como não iria render muito, abreviamos pra duas.

Falando em fotos, mais um acontecimento estranho na hora do almoço. Estávamos em um Burger King próximo ao centro, aproveitando para tirar uma foto nossa lá dentro. No mesmo momento chegou um policial e nos informou que era proibido tirar fotos naquele local e pediu para que a foto fosse apagada. Não entendemos muito bem, mas fizemos o que nos foi solicitado. O que percebemos é que a polícia submete-se ao comando do Presidente da República e a repressão policial é forte por lá, seria essa a explicação?? Sei lá...

Na sequência, o fato mais doloroso do dia, no meu caso (Thais). Uma torção de tornozelo ao descer uma escada, que só alguns dias mais tarde, já em casa, iria descobrir que havia rompido um dos ligamentos do tornozelo esquerdo. A dor condizia com algo mais sério, mas a viagem não podia parar Segui mancando até o último dia. :(

Esse episódio nos fez optar por um passeio mais light para o decorrer do dia. Fomos até a zona sul para conhecer um shopping que nos haviam indicado, e tivemos uma agradável surpresa. Essa parte da cidade é o que se pode chamar de um oásis em meio àquele marrom todo: muito verde, casas belíssimas, enfim, a parte rica da cidade se concentrava ali.

Então funciona mais ou menos assim, nas encostas e centro está parte mais humilde da população, com grande movimento da classe operária, indíos e cholas que circulam de um lado para outro com seus xales nas costas, carregando desde crianças até mantimentos ou o que precise ser transportado. Na zona sul, a parte nobre, com avenidas largas, construções moderníssimas, shoppings e comércio de alto padrão.

Nossa passagem pelo Shopping Mega Center rendeu ótimas e vantajosas compras, a preços similares aos encontrados no Paraguay, por exemplo. Recomendamos!!!

Parte central de La Paz Um cara modesto! :p Paceña: a cerveja local La Paz a noite Vista da janela do Hotel Glória Construções históricas na avenida principal Vista de La Paz desde El Alto Chola e suas tranças "Padaria" Cholas

14 - Paso de Jama e o retorno pra casa

12 de setembro de 2016

Pra encerrar nosso trajeto, após uma noite em Calama, optamos por seguir pra casa em 3 dias de estrada, sem muitos passeios paralelos no caminho. Essa decisão foi tomada porque a grana já estava curta, e praticamente todo o trajeto de...
Veja mais...

13 - Iquique e Ruta 1

12 de setembro de 2016

Seguindo nosso trajeto pelo norte do Chile, falaremos de Iquique e da bela Ruta 1, ao sul. Saímos de Arica ao entardecer e pegamos os 310 km em direção a Iquique, ainda no meio do Atacama. O trajeto é de enormes retas na Ruta 5...
Veja mais...

12 - Voltando ao Chile - Arica e Parinacota

12 de setembro de 2016

O trecho de hoje é a saída do Peru, cruzando a fronteira para o Chile entre Tacna-PER e Arica-CHI. A região é o início do Deserto de Atacama, e já foi palco da Guerra do Pacífico, entre 1879 e 1883. Na época, o que hoje é o norte do Chile...
Veja mais...

11 - Arequipa

12 de setembro de 2016

Arequipa foi uma agradável surpresa na viagem. Chamada de "cidade branca", pelas peculiares construções branquinhas serem feitas com uma pedra chamada Sillar, retirada do Vulcão Chachani, ou, uma segunda teoria que diz que é assim...
Veja mais...

10 - Cañon del Colca

12 de setembro de 2016

Depois das nossas andanças por Cusco, Machu Picchu e arredores, começamos o caminho "de volta", recheado de pontos de parada sensacionais. De Cusco, pegamos os 600km de estrada em direção a Arequipa (sobre a qual falaremos no...
Veja mais...

9 - Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas

12 de setembro de 2016

Machu Picchu - A Cidade Perdida dos Incas Da base, Cusco, para finalmente chegar ao nosso destino mais longínquo nessa viagem: a montanha sagrada Machu Picchu. Compramos as passagens de trem com dois dias de antecedência (e...
Veja mais...

8 - Cusco - A capital dos Incas

12 de setembro de 2016

Cusco, a capital dos Incas Saímos de Puno à tarde, após o almoço. De lá até Cusco, o caminho é longo: São 340km, feitos em 6 horas e meia de viagem, boa parte feita por estradas em obras. A primeira metade do caminho é feita...
Veja mais...

7 - Puno e as Ilhas Uros

12 de setembro de 2016

Puno e as Ilhas Flutuantes dos Uros, no Lago Titicaca Depois de cruzar a fronteira e percorrer mais 150km costeando o Lago Titicaca, chegamos a Puno, considerada a capital folclórica do Peru. A cidade é agradabilíssima e as...
Veja mais...

6 - Ruínas de Tiwanaku

12 de setembro de 2016

Ruínas de Tiwanaku - De La Paz ao Peru Depois de uma passagem conturbada por La Paz, com o centro obstruído por protestos, trânsito caótico, lesão no tornozelo e tudo o mais, optamos por abreviar nossa estadia. Das 3 noites...
Veja mais...

4 - Salar de Uyuni

12 de setembro de 2016

Uyuni - A Imensidão de Sal De Potosí, partimos para o Salar de Uyuni, um dos pontos altos da viagem. São cerca de 200 km, que na época estavam em obras de pavimentação (em 2012 a estrada foi entregue). No caminho, casas de barro,...
Veja mais...

3 - Potosí - Bolívia

12 de setembro de 2016

Potosí: a cidade que te deixa sem fôlego, literalmente! Como dissemos no último post, nos obrigamos a sair de Tupiza à noite, para evitar um bloqueio da estrada na manhã seguinte. Assim, saímos de lá as 21:00h em direção a Potosí,...
Veja mais...

2 - De Salta-ARG a Tupiza-BOL

12 de setembro de 2016

Como falamos no post anterior, nesse trecho é que realmente a viagem começou. Acordamos cedinho e partimos rumo ao norte. Objetivo do dia: Chegar a Tupiza, primeira cidade com alguma estrutura no trajeto boliviano. No...
Veja mais...

1 - Do RS até Salta-ARG

12 de setembro de 2016

Começamos aqui o relato de mais uma viagem pela América do Sul. Essa foi feita em 2011 e passamos por Argentina, Bolívia, Peru e Chile. Rodamos 9.800 km em 20 dias. Tivemos como parceiras nessa jornada, Lais e Natália (irmã e prima da...
Veja mais...

COPYRIGHT 2019 © Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Orange Tecnologia para Internet