Arequipa foi uma agradável surpresa na viagem. Chamada de "cidade branca", pelas peculiares construções branquinhas serem feitas com uma pedra chamada Sillar, retirada do Vulcão Chachani, ou, uma segunda teoria que diz que é assim chamada por ter sido habitada majoritariamente por espanhóis.

A cidade tem cerca de 840 mil habitantes e fica a 2.300m de altitude. Localizada num vale, cercada por vários picos da Cordilheira dos Andes e o vulcão Misti com 5.822 metros de altitude.

Chegamos à noite, e a primeira vista a chamar a atenção foi a da praça. Ela é rodeada de construções com arquitetura muito rica, o Cabildo e a majestosa Catedral, tudo iluminado. Ficamos por alguns instantes de boca aberta admirando tudo. O lugar é realmente muito bonito!

Catedral

Catedral

Cabildo onde hoje funcionam comércio, bares e restaurantes

Cabildo onde hoje funcionam comércio, bares e restaurantes

Praça e Catedral ao fundo

Praça e Catedral ao fundo

Descobrimos que a cidade toda tem muita história e os arredores do centro também estão repletos de construções lindas, sendo a maioria delas centenárias, como é o caso do Monastério de Santa Catalina, que descreveremos a seguir.

Iglesia de La Compañia

Iglesia de La Compañia

Detalhe da torre da Iglesia de La Compañia

Detalhe da torre da Iglesia de La Compañia

Guardinha auxiliando os pedestres na travessia

Guardinha auxiliando os pedestres na travessia

Ficamos no Hotel Crismar (3*), bem agradável, localizado no centro histórico, perto de tudo. Foi no saguão desse hotel que encontramos um pintor local e acabamos comprando algumas obras incríveis, todas caracterizando a região. Um dos quadros ilustra a colheita da cebola, Arequipa é a maior produtora de cebola roxa do Peru.

Na primeira manhã por lá, saímos para conhecer o Cañon del Colca (mereceu um post só pra ele). Voltamos a tardinha e aproveitamos a noite passeando pela cidade.

Os restaurantes por lá são muito bons (no Peru, em geral, os pratos típicos são muito saborosos). Não tivemos coragem de provar o famoso porquinho da índia - o Cuy - que é servido inteiro, com cabeça e tudo. Acabamos optando por um cardápio "um pouquinho" mais conservador. Encontramos um restaurante ótimo, o Zingaro, que fica próximo a Igreja de San Francisco, na rua de mesmo nome. No caminho de volta (cerca de uma quadra) passamos por um outro restaurante, Parrillas y Pizzas, que tinha na janela um Che Guevara sentado nos olhando (boneco perfeito em tamanho natural).

Igreja de São Francisco

Igreja de São Francisco

El Che

El Che

No dia seguinte, um giro pela cidade. Visitamos o Monastério de Santa Catalina, um convento construído em 1.580 (e reconstruído várias vezes após os terremotos nos séculos seguintes), onde cerca de 500 freiras viveram isoladas do mundo exterior.

É uma cidade dentro da cidade, sem exageros. O convento tem 20.426m2. e guarda em seu interior, lavanderia, cemitério e várias ruelas, com nome e tudo.

Planta e informações do Monastério de Santa Catalina

Planta e informações do Monastério de Santa Catalina

Muros do Monastério

Muros do Monastério

Corredores que levam aos dormitórios

Corredores que levam aos dormitórios

Muitos jardins, espaços arborizados e flores alegram esse lugar

Muitos jardins, espaços arborizados e flores alegram esse lugar

Essa é a lavanderia e o cemitério ao fundo. Por esse canal central escorria a água, que era desviada com o uso de pedras para os tanques maiores onde as roupas eram lavadas.

Essa é a lavanderia e o cemitério ao fundo. Por esse canal central escorria a água, que era desviada com o uso de pedras para os tanques maiores onde as roupas eram lavadas.

O convento recebia meninas de famílias distintas da cidade que pudessem cumprir com a exigência do dote e a mensalidade. As meninas geralmente entravam a partir dos 12 anos e só saiam depois de mortas, ou nem mortas, pois o local conta com cemitério próprio. Conversavam com seus parentes através de minúsculos quadradinhos em uma grade de madeira e ?ouviam? a missa sentadas em bancos de madeira, atrás de outra grade, dessa vez de ferro, envolta por um grosso cortinado, o qual não permitia que visualizassem o interior da igreja e as pessoas que lá estavam, então, só podiam ouvir.

Parlatório

Parlatório

Por trás dessas grades as noviças "ouviam" as missas

Por trás dessas grades as noviças "ouviam" as missas

Dá pra passar um bom tempo caminhando e observando tudo. Os cômodos ainda preservam os móveis da época, as cozinhas também preservam seus utensílios originais. Enfim, é um lugar melancólico, silencioso, que remete muito ao passado e riquíssimo em história.

Dormitório das noviças. O tamanho dos cômodos eram de acordo com o valor do dote.

Dormitório das noviças. O tamanho dos cômodos eram de acordo com o valor do dote.

Cozinha

Cozinha

Outra cozinha com seus utensílios

Outra cozinha com seus utensílios

Mais um dos muitos pátios abertos espalhados pelo Monastério

Mais um dos muitos pátios abertos espalhados pelo Monastério

Outro local que visitamos é Yanahuara, um bairro colonial. Na parte mais alta fica a praça principal, uma bela igreja barroca esculpida em sillar e um mirante de onde pode-se ter uma bela vista da cidade e do Vulcão Misti, um dos três vulcões que compõem a paisagem da cidade. O segundo é o Chachani (6.070 m) e o terceiro é o Pichu Pichu (5.650 m).

Igreja no bairro de Yanahuara

Igreja no bairro de Yanahuara

Feirinha no Mirante

Feirinha no Mirante

Mirante e Vulcão Misti

Mirante e Vulcão Misti

Os Incas acreditavam em um Deus principal, o Sol, mas idolatravam outros, como a Terra (Pachamama), o mar (Cochamama) e os vulcões e montanhas também eram considerados divindades (Apus). Desta forma, como Arequipa é uma região de vulcões ativos e de frequentes terremotos, acreditavam que era preciso acalmar os Apus. Para isso escolhiam crianças por sua beleza e perfeição, eram separadas da família por um tempo e levadas até o alto de montanhas nevadas e sacrificadas (com uma pancada na cabeça) como oferendas aos deuses no intuito de "acalmar" essas divindades. Era um privilégio para os pais ter um filho escolhido, pois as crianças depois de eleitas eram consideradas divindades. Juanita (entre 12 e 15 anos) e Sarita (16 ou 17 anos), são exemplos disso, o corpo mumificado delas estão expostos no Museu Santuários Andinos. O problema é que só descobrimos isso ao sair de lá. Mas #ficadica pra quem for para essa região do Peru.

Entre igrejas antigas, casarões coloniais, monastérios e vulcões...outra coisa que chama a atenção em Arequipa é a modernidade da cidade, em relação aos outros lugares que visitamos no Peru. Desde que saímos da Argentina (e cruzamos Bolívia e parte do Peru) foi a primeira vez que paramos em um posto com loja de conveniência. A maioria das ruas é asfaltada e bem sinalizada. Parece uma região autônoma...

De lá, partimos pra Arica, no Chile, tema do nosso próximo post.

Algumas fotos pra retratar a cidade, que com certeza pretendemos visitar com mais tempo numa próxima oportunidade.

14 - Paso de Jama e o retorno pra casa

12 de setembro de 2016

Pra encerrar nosso trajeto, após uma noite em Calama, optamos por seguir pra casa em 3 dias de estrada, sem muitos passeios paralelos no caminho. Essa decisão foi tomada porque a grana já estava curta, e praticamente todo o trajeto de...
Veja mais...

13 - Iquique e Ruta 1

12 de setembro de 2016

Seguindo nosso trajeto pelo norte do Chile, falaremos de Iquique e da bela Ruta 1, ao sul. Saímos de Arica ao entardecer e pegamos os 310 km em direção a Iquique, ainda no meio do Atacama. O trajeto é de enormes retas na Ruta 5...
Veja mais...

12 - Voltando ao Chile - Arica e Parinacota

12 de setembro de 2016

O trecho de hoje é a saída do Peru, cruzando a fronteira para o Chile entre Tacna-PER e Arica-CHI. A região é o início do Deserto de Atacama, e já foi palco da Guerra do Pacífico, entre 1879 e 1883. Na época, o que hoje é o norte do Chile...
Veja mais...

10 - Cañon del Colca

12 de setembro de 2016

Depois das nossas andanças por Cusco, Machu Picchu e arredores, começamos o caminho "de volta", recheado de pontos de parada sensacionais. De Cusco, pegamos os 600km de estrada em direção a Arequipa (sobre a qual falaremos no...
Veja mais...

9 - Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas

12 de setembro de 2016

Machu Picchu - A Cidade Perdida dos Incas Da base, Cusco, para finalmente chegar ao nosso destino mais longínquo nessa viagem: a montanha sagrada Machu Picchu. Compramos as passagens de trem com dois dias de antecedência (e...
Veja mais...

8 - Cusco - A capital dos Incas

12 de setembro de 2016

Cusco, a capital dos Incas Saímos de Puno à tarde, após o almoço. De lá até Cusco, o caminho é longo: São 340km, feitos em 6 horas e meia de viagem, boa parte feita por estradas em obras. A primeira metade do caminho é feita...
Veja mais...

7 - Puno e as Ilhas Uros

12 de setembro de 2016

Puno e as Ilhas Flutuantes dos Uros, no Lago Titicaca Depois de cruzar a fronteira e percorrer mais 150km costeando o Lago Titicaca, chegamos a Puno, considerada a capital folclórica do Peru. A cidade é agradabilíssima e as...
Veja mais...

6 - Ruínas de Tiwanaku

12 de setembro de 2016

Ruínas de Tiwanaku - De La Paz ao Peru Depois de uma passagem conturbada por La Paz, com o centro obstruído por protestos, trânsito caótico, lesão no tornozelo e tudo o mais, optamos por abreviar nossa estadia. Das 3 noites...
Veja mais...

5 - La Paz, a capital da Bolívia

12 de setembro de 2016

La Paz - Capital mais confusa da América do Sul Ainda extasiados e com a imagem do Salar na cabeça, seguimos viagem. O próximo destino seria Nuestra Señora de La Paz ou simplesmente La Paz, capital da Bolívia, Saímos do Salar...
Veja mais...

4 - Salar de Uyuni

12 de setembro de 2016

Uyuni - A Imensidão de Sal De Potosí, partimos para o Salar de Uyuni, um dos pontos altos da viagem. São cerca de 200 km, que na época estavam em obras de pavimentação (em 2012 a estrada foi entregue). No caminho, casas de barro,...
Veja mais...

3 - Potosí - Bolívia

12 de setembro de 2016

Potosí: a cidade que te deixa sem fôlego, literalmente! Como dissemos no último post, nos obrigamos a sair de Tupiza à noite, para evitar um bloqueio da estrada na manhã seguinte. Assim, saímos de lá as 21:00h em direção a Potosí,...
Veja mais...

2 - De Salta-ARG a Tupiza-BOL

12 de setembro de 2016

Como falamos no post anterior, nesse trecho é que realmente a viagem começou. Acordamos cedinho e partimos rumo ao norte. Objetivo do dia: Chegar a Tupiza, primeira cidade com alguma estrutura no trajeto boliviano. No...
Veja mais...

1 - Do RS até Salta-ARG

12 de setembro de 2016

Começamos aqui o relato de mais uma viagem pela América do Sul. Essa foi feita em 2011 e passamos por Argentina, Bolívia, Peru e Chile. Rodamos 9.800 km em 20 dias. Tivemos como parceiras nessa jornada, Lais e Natália (irmã e prima da...
Veja mais...

COPYRIGHT 2021 © Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Orange Tecnologia para Internet