MONTE KOYA

Se você perguntar, da viagem ao Japão, o que dá mais saudades? Vou responder prontamente que é da experiência no Monte Koya, sem sombra de dúvidas. E dessa experiência vou contar todos os detalhes porque foi um dos maiores aprendizados e com lições que levamos para a vida.

Monte Koya (Koya-san) é uma montanha sagrada para o budismo japonês, localizada em Wakayama, ao sul de Osaka. É um famoso local de peregrinação. Um dos aspectos mais atraentes dessa localidade, além das rotas de caminhada, é pernoitar em um dos 52 tempos budistas - dos 117 que seguem em funcionamento.

Para vocês terem uma ideia da importância do Monte Koya, a localidade foi declarada como Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), em 2014.

O vilarejo de Monte Koya foi fundado no ano de 816 pelo monge budista Kukai (também conhecido como Kobo Daishi), para que os monges pudessem meditar longe das distrações da então capital, Kyoto.

O lema do lugar é : "encontre o luxo na simplicidade!", e a partir disso dá pra entender que sem chegar lá já tínhamos aprendido alguma coisa.

Para chegar ao Monte Koya tem que ter muita disposição pois são vários trajetos, com diferentes meios de transporte. E com a gente a "indiada" é sempre maior, explico...kkkk

No dia anterior estávamos em Shirakawa-go. De Shirakawa pegamos um trem de volta a Kanazawa onde havíamos deixado nossa bagagem no hotel onde pernoitamos. De Kanazawa pegamos um trem bala até Quioto e de Quioto um trem normal até Nara onde dormimos para no dia seguinte ir até o Monte Koya. Pense num passe (JRP) bem aproveitado..kkk

Para as pessoas normais...kkk o caminho até o Monte Koya inicia em Nara .

Então, pela manhã, saímos da Estação Central de Nara passamos pela estação de Takeda até Hashimotto, tudo incluso no Japan Rail Pass.

A partir daí o caminho é pela Nankai Line, que não está inclusa no passe. Você vai seguir de trem pelas montanhas até a estação Gokurakubashi, aonde o transporte passa a ser por um funicular até a estação Koya-san. Na chegada a Koya-san compramos a passagem para os vários ônibus que esperam para levar os passageiros até o Templo onde irão pernoitar. As paradas são numeradas, não é difícil de encontrar seu destino. Use o Google Maps e vá traçando o trajeto, ajuda um monte.

Chegamos depois das 14h no destino final. Nos hospedamos no templo Shojoshin-in que fica ao lado da entrada do famoso cemitério Okunoin.

Fomos direto ao templo para deixar as bagagens e fazer o check-in. Sabíamos da rigidez dos horários e não queríamos nos atrasar. Chegando no Templo um monge vem em disparada pedindo educadamente para que tirássemos os calçados, lá fora ainda, antes de subir as escadarias da entrada, pediu para guardar os calçados num compartimento próprio pra isso e que usássemos os chinelos à disposição. Dali nos levou até a recepção onde sentados em almofadas no chão e através de um inglês monossilábico foi nos explicando as regras e horários do local.

Apontando para o corredor, nos levou para conhecer as acomodações. O local da cerimônia matinal realizada toda manhã (antes do café ser servido); os quartos no segundo piso e o local onde o jantar é servido. Em cada lugar que entrávamos para conhecer era preciso estar descalço, e é claro que o Tiago esquecia toda vez, e levava, do monge, um puxão no braço e um indicador apontado para os chinelos. Apesar do puxão nada delicado um risinho acompanhava e caíamos na gargalhada pela recorrência da gafe.

Muito solícito e simpático, nos deixou no quarto e voltou para a recepção.

O quarto tipicamente japonês sem trancas nas portas, com futons ao invés de camas, uma mesa de chá com aquecimento para as pernas, uma TV antiga de tubo (que não faria falta se não estivesse ali, pois não entrava no clima do lugar...kkk), um aquecedor, um janelão que dava vista para o jardim e para o lago com carpas douradas e um barulhinho constante de água corrente e para finalizar, quimonos sobre os futons para serem usados enquanto estivéssemos no ryokan (hospedagem típica japonesa).

Deixamos a bagagem no quarto e fomos conhecer o cemitério mais famoso do Japão, o Oku-no-Em. Fica logo na saída do Templo e é bem interessante, com esculturas de vários tamanhos, árvores centenárias e por incrível que pareça é um lugar legal pra passear. À noite fica todo iluminado e tem passeios guiados para contar a história do lugar (e história tem de monte). Ali está o mausoléu de Kobo Daishi, fundador da seita budista Shingon. Acredita-se que Kobo Daishi não tenha morrido, mas que se encontre em estado permanente de meditação. O cemitério conta com mais de 200.000 túmulos e de acordo com a superstição da escola budista Shingon, não há mortos em Okunoin, mas apenas espíritos em "estado de espera.

Ainda no interior do cemitério é possível encontrar o chamado "Torodo Hall" (Salão das Lanternas). É o principal local de Okunoin destinado a veneração de Kobo Daishi, e foi construído em frente ao mausoléu. Dentro do salão existem mais de 10.000 lanternas, que foram doadas por adoradores e são mantidas eternamente acessas. Também é possível encontrar 50.000 estátuas minúsculas que foram doadas ao cemitério Okunoin por ocasião do 1150º aniversário da entrada de Kobo Daishi, em meditação, no ano de 1984.

Saindo do cemitério andamos um pouco pela vila e voltamos ao Templo a tempo do jantar.

A alimentação nos templos em geral é vegetariana seguindo a linha Budista  sem qualquer tipo de carne ou peixe.

O esmero na preparação e na forma de servir fez dessa refeição a mais especial da viagem toda. Uma das refeições mais lindas e cheia de cuidados que já nos serviram. Muitos vegetais, tofu, arroz, chá verde, frutas. As fotos explicam melhor.

Um pouco antes do horário do jantar surgiu a dúvida: será que a gente veste os quimonos pra descer? E o medo de mais uma gafe? Kkk...chegamos a conclusão que não sabíamos quando passaríamos novamente por uma experiência como aquela, então, nos trajamos tipicamente calçamos nosso chinelinho e descemos cheios de razão...kkk...no térreo um grupo já aguardava. E ali vimos que os quimonos estão ali para serem usados mesmo, apesar de algumas pessoas estarem vestidas normalmente, a maioria abusou do modelito exótico. Cada grupo foi direcionado para uma salinha exclusiva onde um aquecedor mantinha o ambiente acolhedor, já que sentaríamos no chão, sobre um tatame de palha. Em seguida adentra um dos monges trazendo cada alimento servido separadamente naquelas louças japonesas que tive vontade de esconder no quimono e levar pra casa na sequencia...hahaha ...tentou nos explicar o que era cada coisa e como deveria ser comido, é óbvio que não entendemos a metade, mas confesso que encheu os olhos tanto cuidado.

Voltamos ao quarto e antes que o horário do banho se esgotasse, descemos um por vez para o ritual. E te falo, cada coisa nesse templo é um evento. Pra tomar banho, você passa pelo primeiro ambiente onde depois de se despir e colocar a roupa em um cestinho passa por uma ducha, onde se deve lavar o corpo antes de passar para o segundo ambiente onde uma espécie de banheira rústica te aguarda com água termal corrente e super quente (Onsen é a designação para água termal no Japão e só é considerada assim a partir dos 25 graus). Apesar de ser super relaxante, não tem como ficar muito tempo pela temperatura da água. Encerrada essa etapa é só se secar, vestir seu quimono e voltar para o quarto.

Depois de mais essa experiência resolvemos dar mais uma espiada no cemitério já que já havia anoitecido. E te falo, apesar de ser iluminado, não tem como não ser um passeio sinistro. Cada barulho fazia com que os olhos se arregalassem...kkk tiramos algumas fotos e saímos, passando mais uma vez pelo centrinho que nessas alturas já estava deserto, já que se recolhem muito cedo.

Voltando ao quarto, nos sentamos na mesinha para aquecer os pés e preparamos um chazinho para dormir em paz nos futons esticados no chão sobre o tatame de palha.

Acordamos cedinho para não perder a cerimônia de orações matinal. Não espere alguém vir te chamar ou algum tipo de aviso. No horário previamente comunicado desça até a sala onde as orações acontecem. Lá nesse dia havia um único monge sentado de costas para os visitantes que se acomodavam numa sequencia de bancos encostados na parede no fundo do templo. E o monge sentado sobre os pés, ficou em torno de 40 incansáveis e ininterruptos minutos entoando orações que pareciam mantras agradáveis ao ouvido. Ao final da cerimônia pudemos conhecer o interior do templo que tem uma decoração em peças douradas, imagem de Buda no centro e muito veludo vermelho. Para finalizar, o monge sentou-se novamente numa das salas mais ao fundo e tocou um instrumento que acho que posso chamar de tambor por mais alguns minutos e um som super agradável invadiu novamente o templo.

Dali nos direcionamos para a o salão central onde nos direcionaram novamente para salas exclusivas para o café da manhã que foi servido pontualmente.

O café não foi muito diferente do jantar, com arroz legumes etc...servido de forma impecável como o jantar. Uma cultura totalmente diferente de uma riqueza de detalhes impossível de traduzir em palavras.

Com a alma leve, preparamos nossas coisas para seguir viagem...que experiência meus caros!

Pontos importantes:

O templo precisa ser reservado com muita antecedência, faça isso antes de sair de viagem. Como queríamos ficar nesse templo específico por ter boas recomendações, conseguimos reservar pelo site Japan Guest Houses, mas tem como reservar até pelo Booking.com. No site Associação de Turismo do Monte Koya você encontra mais informações sobre o local.

Deixe sua bagagem guardada em alguma estação. Leve somente o necessário para passar o tempo de estadia no Monte. É muito desgastante carregar muita bagagem para o Monte Koya, são muitos meios de transporte diferentes para chegar, muita subida e descida, não tem necessidade, leve o suficiente para passar uma ou quantas for ficar no local. Levamos toda nossa bagagem (2 malas médias e 2 mochilas) e sofremos muito carregando.

Informações do lugar:

Cerimônia matinal 6:00h de abril a setembro 6:30h de outubro a março

Café da manhã: 7:00h de abril a setembro e 7:30h de outubro a março

Banho: entre às 16h e 21h. Não é possível tomar banho de manhã.

Jantar: 17:30h

Valor da diária com duas refeições inclusas: 25,920 Yen cerca de R$ 800,00 na data da viagem.

________________________________________________________________________________________________________________________________

Não esqueçam de curtir o post e de deixar o seu comentário, isso dá vida ao blog e nos orienta quanto as suas preferências.

*** Reserve sua hospedagem pelo BOOKING.COM ou AIRBNB e receba ótimos descontos.

*** Sigam nossas redes sociais para acompanhar as novidades! FACEBOOK / INSTAGRAM

________________________________________________________________________________________________________________________________

16 - Nara - A Cidade dos Templos e dos Cervos

06 de maio de 2020

Nara - A cidade dos templos e dos cervos Deixa contar como foi a nossa ida até Nara. Pra variar, alguma coisa fora do roteiro sempre acontece nas nossas viagens, e acho que na de todo mundo, não é?...e é aí que as melhores...
Veja mais...

14 - Shirakawa-go

05 de janeiro de 2020

Shirakawa-go é um daqueles lugares que você sai de casa torcendo pra que chegue logo a hora de conhecer. Apesar de termos sofrido pra conseguir chegar até essa pequena aldeia japonesa os esforços foram compensados porque foi de encher os...
Veja mais...

13 - Takayama

10 de junho de 2019

Conforme prometido no post anterior, vou contar a novela da ida para Takayama e Shirakawa-Go, uma por vez. O primeiro destino foi Takayama. Descobrimos dias antes que o Festival de Primavera - Takayama Matsuri - , um...
Veja mais...

12 - Kanazawa

10 de junho de 2019

Depois de conhecer a região de Quioto e arredores, nosso plano inicial era seguir para a região de Hiroshima, no sul da ilha de Honshu. Tínhamos programado 3 dias para a ida e volta até...
Veja mais...

11 - Himeji | Osaka

15 de abril de 2019

Falo com toda certeza desse mundo que não queríamos ir embora de Kyoto. Que experiência, meu povo! Mas precisávamos seguir para o próximo destino, Himeji, pra conhecer um dos...
Veja mais...

10 - Kyoto IV

05 de março de 2019

Sétimo dia no Japão, quarto em Kyoto. Como já comentamos em outros posts, usamos muito os ônibus urbanos em Kyoto por ser a forma mais prática de transporte. O Importante é...
Veja mais...

9 - Kyoto III

02 de dezembro de 2018

Sexto dia no Japão, terceiro dia em Kyoto. Iniciamos o dia muito bem, errando a parada do trem !! kkk A intenção era chegar na Floresta de Bambu de Arashiyama, então saímos da...
Veja mais...

8 - Kyoto II

02 de outubro de 2018

Quinto dia no Japão, segundo em Kyoto. Nosso roteiro do dia foi um tanto conturbado pois algumas coisas que tínhamos programado...
Veja mais...

7 - Kyoto I

04 de agosto de 2018

No nosso quarto dia no Japão, seguimos para Kyoto, antiga capital Imperial do país, substituída por Tóquio em 1868. Além disso, Kyoto é a cidade das Gueixas e...
Veja mais...

6 - Tóquio III

30 de julho de 2018

Tóquio III No nosso terceiro dia em Tóquio optamos por conhecer a redondezas do Palácio Imperial. Para isso pegamos um metrô na estação ao lado do nosso Hotel e...
Veja mais...

5 - Tóquio II

22 de julho de 2018

Iniciamos nosso segundo dia em Tóquio tentado entender o funcionamento do metrô. Confesso que deu um certo pânico ao olhar o mapa das linhas e a primeira impressão é de que você nunca vai se achar naquele...
Veja mais...

4 - Tóquio

02 de julho de 2018

Tóquio foi a nossa porta de entrada para o Japão. Esse país com tantos contrapontos, que une o antigo com o novo, o conservador com o moderno, os templos milenares aos prédios tecnológicos atuais. E...
Veja mais...

3 - Tudo o que você precisa saber para visitar o Japão

11 de junho de 2018

O Japão tem como principal característica a numerosa população comparada a extensão territorial. Dessa forma você vai perceber que o país tem muitas regras e a maioria delas são sobre civilidade, viver em...
Veja mais...

2 - Roteiro de 20 dias pelo Japão

27 de maio de 2018

. Planejar uma viagem para o Japão não é nada fácil. A diversidade geográfica, cultural e as peculiaridades desse país tornam a pesquisa e...
Veja mais...

1 - Japão - Planejamento de Viagem

13 de maio de 2018

PLANEJAMENTO DE VIAGEM Quem nos acompanha no Facebook/Instagram já sabe, e quem tem o primeiro contato com a gente pelo site, fica sabendo agora: Acabamos de voltar do Japão. Estivemos na Terra do Sol Nascente...
Veja mais...

COPYRIGHT 2020 © Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Orange Tecnologia para Internet